Especialistas criticam a cesariana desnecessária


escrito por: Tricia em quinta-feira, junho 22, 2006 às 11:15 AM.

Großansicht des Bildes mit der Bildunterschrift:
Especialistas criticam a cesariana desnecessária

FONTE: DM-World

Enquanto no Brasil é lançada a campanha de incentivo ao parto natural, o Departamento alemão de Estatística divulga o grande aumento do número de cesarianas no país.

Em abril último, o Departamento Federal alemão de Estatística divulgou dados relativos ao número de nascimentos na Alemanha. Apesar de o número anual de nascimentos haver se reduzido em cerca de 75 mil, entre 1994 e 2004, o número de partos cesáreos aumentou em mais de 50 mil.

A divulgação dos dados estatísticos alemães coincide com o lançamento da campanha de incentivo ao parto natural pelo Ministério da Saúde no Brasil. Segundo dados do órgão, em 2004, 41,8% dos partos realizados em todo o país foram cirúrgicos.

O demasiado aumento do número mundial de cesarianas toma espaço nas mídias alemã e brasileira, preocupando também pesquisadores nacionais e estrangeiros. Quase simultaneamente, o semanário alemão Die Zeit, a emissora DeutschlandRadio e a Revista Pesquisa Fapesp publicaram entrevistas e editoriais sobre o tema.

Tendência para cesariana

Em entrevista à DeutschlandRadio, Wolfgang Henrich, obstetra do renomado hospital Charité de Berlim, tentou explicar a mudança de status da cesariana. Originalmente uma operação de emergência, para salvar a vida da mãe ou da criança, hoje quase um terço dos partos são cesáreos na Alemanha.

Bildunterschrift: Großansicht des Bildes mit der Bildunterschrift: Alemãs têm o primeiro filho cada vez mais tardeUma das razões, explica Henrich, advém do fato de as mulheres terem filhos cada vez mais tarde. Há poucos anos, a média de idade para ter o primeiro filho era de 25 anos na Alemanha, hoje é de 28 a 29 anos.

Além de estarem mais propensas a doenças, com a idade diminui a fertilidade das mulheres, que recorrem então a tratamentos hormonais para engravidar. Os gêmeos e muitas vezes trigêmeos originários destes tratamentos também aumentam a necessidade de uma cesariana.

Um outro motivo, explica o obstetra, é a segurança que um parto cesariano dá aos médicos, receosos de processos judiciais por erros no parto: uma moda que vem do EUA e chega lentamente à Europa, explica Henrich.

Wolfgang Henrich afirma que, apesar de um parto cesáreo planejado ser estatisticamente tão seguro quanto um parto normal, na Alemanha, as mulheres não devem optar tão facilmente por uma cesariana. Embora ela provoque menos dores durante o parto, o processo de cicatrização dura semanas, além de causar complicações em gestações posteriores.


Fazer pressão ou cortar?

O editorial do Die Zeit começa com o ditado bíblico: "Com dores, darás à luz tuas crianças...". Dores que muitas mulheres, hoje em dia, preferem evitar, afirma o Die Zeit. O semanário chama a atenção para a discussão entre parteiras, que preferem o parto normal, e médicos, aos quais elas atribuem o número crescente de cesarianas.

Bildunterschrift: Großansicht des Bildes mit der Bildunterschrift: A profissão de parteira está em perigo de extinção, na AlemanhaAs parteiras vêem sua profissão ameaçada de extinção, já que cada vez mais o parto se torna serviço de médicos. Por serem jovens, muitas vezes estes não têm experiência com partos complicados, não hesitando em recorrer ao bisturi. Outro importante ponto citado pelas parteiras é a memória da experiência do parto. Trazer uma criança ao mundo com a própria força aumenta a auto-estima da mãe e faz parte da identidade feminina.

Sobre este assunto, o Die Zeit também cita a opinião de Gerald Hüther, neurobiólogo do Hospital das Clínicas de Göttingen, que explica a função dos hormônios liberados durante um parto normal: além de ajudarem a esquecer a dor do parto, eles provocam um sentimento de felicidade, o que leva a mulher a associar o parto a algo prazeroso. Segundo Hüther, a lembrança da cesariana para a mulher é da desagradável atmosfera da sala de cirurgia.

Além de apresentar estudos demonstrando que a cesariana dobra a probabilidade de, na próxima gravidez, dar à luz um natimorto, o Die Zeit explica a não objeção dos médicos ao desejo da mulher pela cesariana também do ponto de vista financeiro: este tipo de parto traz duas vezes mais dinheiro às caixas dos hospitais alemães do que um parto normal.

Escolha errada

Bildunterschrift: Großansicht des Bildes mit der Bildunterschrift: Cesarianas desnecessárias?A edição de junho da Revista Pesquisa Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) traz um amplo editorial sobre o assunto. Este comenta também uma outra pesquisa, publicada pela Lancet, uma das mais respeitadas revistas médicas do mundo, que alerta: a realização de partos cirúrgicos ou cesáreos sem uma indicação médica específica coloca em risco a saúde da mulher e do bebê.

Segundo a Fapesp, as cesarianas correspondem, hoje no Brasil, a 82% dos partos pagos por convênios médicos e a 30% dos partos feitos pelo Sistema Único de Saúde (SUS). O índice aceito pela Organização Mundial de Saúde (OMS) é de 15%.

O editorial da Fapesp confirma o que a mídia constatou para a Alemanha: o abuso da cesariana no Brasil está ligado à cultura medicalizada da saúde da mulher. Além da substituição da parteira pelo médico, o desenvolvimento das técnicas de anestesia e tratamentos com antibióticos contribuíram para reduzir a mortalidade materna, e tornar a cesárea a cirurgia mais popular do mundo.

A Fapesp comenta a iniciativa do Ministério da Saúde de lançar a campanha de incentivo ao parto natural, chamando a atenção para a necessidade de esclarecer a população, e não os ginecologistas e obstetras: "Não adianta trabalhar apenas com os médicos", afirma uma epidemiologista do Ministério da Saúde. "Queremos conscientizar as pessoas sobre a importância do parto normal, para que possam cobrar dos profissionais de saúde."

por: Carlos Albuquerque

Marcadores: , ,

0 Respostas a “Especialistas criticam a cesariana desnecessária”

Postar um comentário

Links para este post

Criar um link

---------------------------------



QUEM  SOMOS
 



Tricia Cavalcante: Doula na Tradição, formada pela ONG Cais do Parto, mãe de três, e doula pós-parto.Moro em Fortaleza-CE.


.


Assine o Parir é Nascer! (RSS)

Para receber as atualizações do Parir é Nascer, inscreva seu email abaixo:

Delivered by FeedBurner

---------------------------------



O  QUE  VOCÊ  PROCURA?
 















---------------------------------



INDICAÇÃO  DE  LEITURA
 
















---------------------------------



INTERESSANTES
 

---------------------------------



ONDE  NOS  ENCONTRAR
 

















Powered by Blogger




eXTReMe Tracker